Matchfunding: uma nova maneira de pensar projetos

Sobre Colaboração, Criatividade, Cuidado, Financiamento Coletivo

Definimos a Benfeitoria como um grande experimento colaborativo. Queremos testar modelos, desafiar paradigmas, lançar projetos, prototipar soluções… Queremos envolver diferentes esferas sociais em colaboração direta para criar coisas que não poderiam ser criadas por cada indivíduo de forma independente.

Uma das grandes perguntas sempre foi: como conseguir engajar, de forma legítima, grandes empresas nessa nova economia? Como criar ações com grandes marcas, mas gerando impacto real, sem incentivar um discurso vazio que nunca se materializa na prática?

Ao longo de quatro anos e meio, fomos construindo esses pilotos e aprendendo sempre uma coisa nova com cada um.

benf-iniciativas

O lançamento da primeira plataforma de financiamento coletivo do mundo a não cobrar comissão, apostando em um modelo de comissão voluntária nos ensinou a criar relações de igual-para-igual com a multidão, sem endeusar sua força, mas sem subestimar seu senso crítico como grupo. No Reboot, aprendemos como é complexa a gestão de um trabalho em rede, mas também como as pessoas estão dispostas a mergulhar de cabeça em uma missão que faça sentido para elas. Por último, a rede de sócios-benfeitores nos mostrou a quantidade de coisas que não sabemos (às vezes, sobre o nosso próprio negócio) e como precisamos ser humildes para ouvir e construir o nosso futuro juntos.

O Rio+ foi um enorme desafio de articulação. Juntamos o governo municipal, universidade, a sociedade civil e uma empresa muito especial: a Natura, que topou encarar a aventura conosco, mesmo sem ter certeza de qual seria o resultado.


Matchfunding

O modelo de matchfunding é um sonho antigo da Benfeitoria. O funcionamento é bem simples: para cada real que uma pessoa colocar em um projeto de financiamento coletivo (crowdfunding), o patrocinador do projeto coloca mais um real.

Ou seja, se o projeto arrecadar R$25.000 através da multidão, o patrocinador coloca mais R$25.000 na conta.

É bom para o projeto, que recebe um impulso a mais. É bom para o colaborador, que recebe a recompensa em dobro. É bom para o patrocinador, que ajuda a tirar projetos relevantes do papel com a ajuda da inteligência coletiva.

Mas como implementar esse modelo na prática? Como convencer uma empresa a patrocinar um projeto que ela não sabe qual é, ainda mais com a possibilidade de insucesso da arrecadação?

A nossa cultura corporativa não lida bem com o erro. Os tropeços eventuais não são vistos como partes do processo de aprendizado, mas como fracassos que precisam ser evitados e, muitas vezes, punidos. Com isso, os executivos das empresas são incentivados a não arriscar, a investir apenas em resultados garantidos. Em resumo: a não inovar.

De novo, a Natura mostra que está disposta a buscar o novo. Foi ela a primeira empresa a topar o desafio. E assim nasceu o Canal de Matchfunding Natura Cidades.


natura cidades

O processo é simples. Primeiro, uma convocação de projetos. Podem (e devem) se inscrever iniciativas que tornem a cidade mais bonita, mais acolhedora e mais propícia aos encontros, que serão executadas no primeiro semestre de 2016.

Screen Shot 2015-09-16 at 8.04.34 PM

Após um processo de seleção dos projetos recebidos, serão montadas campanhas de financiamento coletivo para cada um dos escolhidos no site da Benfeitoria. A meta de arrecadação deve ser entre R$10.000 e R$100.000, onde metade deste valor será bancado pela Natura no esquema de matchfunding: para cada real arrecadado, ela coloca mais um.

 

matchfunding

 

Até o fim de 2015, rola a arrecadação. E no primeiro semestre do ano que vem, a implementação dos projetos.

E aí? Curtiu? Então espalha a notícia!

Tem um projeto que pode se encaixar? Então manda pra gente!

6 Comentário

  1. Gostei muito da ideia e vou pensar em um projeto para melhoria da cidade!
    Como a cidade é muito grande com varios problemas e necessidades diferentes de acordo com educaçào e cultura,penso que se nào dividirmos em regioes de apoio(integrados no final) ,parceria entre empresas privadas e apoio estadual ,tipo mini prefeituras com força politica atuante nào vai funcionar.
    A Cidade esta com atuaçào muito centralizada e com muitos problemas!Estou na torcida!

  2. Estou escrevendo projetos de educação ambiental (todos relacionados com hortas comunitárias e ocupação dos espaços públicos) como faço para submeter esses projetos?

Enviar um comentário